sábado, 9 de abril de 2016

Amamentando minhas gêmeas

Como já contei aqui no blog, amamentei meus dois filhos mais velhos em livre demanda (LD) exclusivamente até os seis meses de vida e prolongado até mais de dois anos! Foi sem dúvida uma das grandes delicias que a maternidade me proporcionou, ver meus filhos nutridos por mim crescendo fortes e saudáveis fez toda dificuldade valer a pena...
Com as gêmeas não queria fazer diferente... me preparei durante toda a gravidez, principalmente para os comentários que viriam... O pós parto já é algo complicado por si só, um mix de sentimentos 24h por dia (literalmente por que a privação do sono é grande com dois bebês) e aprender a filtrar esses comentários, vindos de várias direções diferentes se faz fundamental!

Na maternidade fui privada do contato pele a pele na primeira hora de vida, (leia mais aqui ) e o cansaço do pós parto sem conseguir respeitar o tempo de repouso que meu corpo precisava no final da gravidez e inicio de vida delas como contei aqui acabei dando bico artificial pras duas...
Helena - 3 semanas
Amanda - sob o olhar apaixonado do mano

Foi um dos meus grandes arrependimentos...


Elas já não chupam mais bico desde os 5 meses, e já passamos da fase da aleitamento materno exclusivo (AME), hoje elas mamam em LD (livre demanda) sem a introdução de leites artificiais (LA) nem leite de vaca na dieta delas...

Algumas coisas me ajudaram muito no processo todo da amamentação, outras me atrapalharam muito, e hoje, vou contar pra vocês um pouquinho sobre isso!

Ao sair da maternidade já ''ganhei'' uma receita de complemento, mesmo falando que a minha opção era por AME, e junto com a receita veio da pediatra a frase muito ouvida pelas puérperas... '' Pra caso precise''
Na primeira consulta de rotina,  com poucos dias de vida outra receita de complemento e um alerta para o peso... (Que não estava ruim, diga-se de passagem)

Na consulta de um mês, troquei de pediatra... A que recepcionou as gêmeas atende pelo convênio, achei que indo pelo SUS no posto de saúde seria diferente a realidade, mas me enganei!
Lá encontrei uma pediatra super novinha, meio ''sem jeito'' até pra pegar as gurias no colo pra pesar e medir, e fazer o exame clínico... Durante a consulta ela me perguntou se eu estava complementando.. e eu disse que não,  enquanto o pai vestia a segunda gemelar, eu amamentava a primeira que havia sido examinada e ela, sem perceber esse detalhe me fazia as perguntas...  Questionou então o intervalo e a duração das mamadas, respondi simplesmente que não sabia, pelo fato de não contar! São apenas números, e como diz o mestre Humberto ''e eu, o que faço com esses números??''

Na consulta de dois meses retornamos para a pediatra que acompanhou o nascimento delas, e ela mais uma vez nos passou uma receitinha de complemento, me orientando a dar o complemento após ofertar o seio... Mas que eu precisava entender que o peso dela (Amanda) estava preocupante (na verdade a curva dela estava ótima... crescendo, por isso até então, EU não estava preocupada) e que o complemento só iria nos ajudar blá-blá-blá-whiskas sachê. Peguei a receita e fugi da pediatra, só retornei lá quando as meninas completaram 8 meses.. Continuei medindo e pesando no posto de saúde, observando toda a evolução delas...
Na consulta do retorno (8 meses) expliquei pra pediatra o motivo de eu ter sumido, não sei se ela percebeu o quão nociva é aquela simples receita... Mas que eu tentei explicar, ah, isso eu tentei! Por fim ela disse que o desenvolvimento das gurias está ''Surpreendente'' tudo maravilhoso, continue assim, dando peito e oferecendo uma boa alimentação e muita água!
Amanda, com 2 meses, em sua última visita ao pediatra!

Sou da turma que acredita em teoria da exterogestação... o primeiro trimestre do bebê é uma total adaptação, portanto o mais delicado de todo o restante da sua vida! Aqui fora é tudo muito novo, é tudo muito grande, muito barulhento, muito claro... Muito diferente de como era ''do lado de dentro''.
O peito da mãe é acalento... é no colo da mãe que desejamos estar quando o negócio fica preto! Então aqui em casa o peito sempre funcionou como conforto também!! é o nosso ''calmante natural''
Muito além de saciar a fome e a sede, o leite materno tem a função de acalmar... de proteger (não só com os inúmeros e imprescindíveis anticorpos que ele fornece, mas também proteger do medo, do desconhecido)

Fico a me perguntar, o que sacia a mãe?? o que a acalma?? o que manda embora todo medo, angústia e insegurança que nasce junto com o novo bebê?? Insisto em bater na mesma tecla, a da rede de apoio, que não deveria ser fraca, mas é! As pediatras que nos atenderam foram o meu ponto fraco, muito mais do que os parentes (mãe/pai, avó, tia, prima etc e tal) com seus comentários sem noção como ''As gurias estão lindas, mas tu tá acabada''... ''Minhas netas estão sugando a minha filha''... ''Credo, mas pq tu não dá uma mamadeira pra elas pra poder dormir durante a noite?''
Ainda falando sobre a rede de apoio, ressalto aqui a importância do pai das gurias nesse processo, talvez, se não fosse o apoio dele e dos meus filhos mais velhos, não tivéssemos conseguido chegar onde chegamos, à eles, sou eternamente grata!
O que eu quero dizer com tudo isso? É que o fator psicológico pode ser um grande aliado, ou uma baita pedra no sapato! Por isso, procure filtrar o que ouve, e se possível, mantenha distância de pessoas com uma postura negativa!

No inicio o peito empedrou, acho importante falar, que mesmo tendo feito cesariana intraparto, não tomei nenhum remédio para aumentar a produção de leite!
Sempre tive uma grande produção de leite, na verdade tenho sérios problemas com relação à isso.. cada vez (mesmo quando não estou amamentado meus filhos) que ouço o chorinho de um bebê meu peito enche de leite! Isso já aconteceu várias vezes, na verdade perdi as contas! (e esse é um dos motivos que eu evito visitar bebês - é muita ocitocina minha gente!)
No segundo ou terceiro dia meus seios já pareciam duas melancias duras, quentes e transbordando mamazinho... algumas das coisas que me ajudaram muito foram a conchinha de amamentação e a esgotadeira!
Sem elas os seios ficavam cheios de mais e dificultava a pega das gurias, principalmente da Amandinha complicada e perfeitinha
Antes de amamentar as gurias dava uma esgotada para esvaziar um pouco a mama, principalmente nos dias em que o cocô delas ficava mais esverdeado (mostrando que elas haviam ingerido mais leite anterior, e pouco posterior) e isto ajudou muito! Eu normalmente tirava uma esgotadeira cheia de cada seio mesmo com elas mamando...
(Só tome cuidado com a conchinha, pq o alívio acaba sendo tão grande que a gente esquece que está com a bendita dentro do sutiã, e ela tem uma abertura para ''respirar'', se você se abaixar, ela vai molhar toda sua roupa hehe)
Outro cuidado fundamental é a higienização da mesma, para evitar a proliferação de fungos e acabar piorando a situação do seu seio!
Lá pelo terceiro mês de vida delas, deu uma regularizada na quantidade de leite... passei então a usar a concha esporadicamente, e quase já não esgotava mais!
No quinto mês, veio um pico de crescimento junto com salto de desenvolvimento, um esgotamento geral da nação, unido com visitas e obra dentro de casa, tudo isso, debaixo de um sol de 46º Sãoborjense! resultado.. uma mamação infinita, um desespero por colo, peito, aconchego e dois seios esfolados, ralados como joelho de criança que esqueceu a hora de voltar pra casa e brincou até tarde na rua...
Nesses momentos a concha ainda é a minha melhor amiga, ela faz com que o mamilo fique livre, sem encostar na roupa, e dá um baita alívio nos coitados que trabalham dia e noite para nutrir as minhas bebezudas lindas!

No  inicio não é fácil mesmo gente, perdi as contas de quantas vezes adormeci com as duas no peito sentada na cadeira de balanço (que durante os 5 meses de choros alternados durante a noite toda, acabou virando meu habitat natural). Não sei contabilizar quantas refeições na boca ganhei do marido enquanto as amamentava, quantos litros de água bebi sentada na cadeira ninando meus nenês! Mas ver o quão saudáveis elas são, o quão bem nutridas, ouvir da pediatra que o desenvolvimento delas é surpreendentemente bom faz absolutamente todas as privações terem um sentido! Faz ter vontade de seguir.. de continuar ofertando todo meu amor em forma de líquido precioso pra elas!
Em tempo... peloamordosdeuses, mães que não amamentaram, seja por escolha ou por falta de opção, não estou dizendo de forma alguma que vcs não amam seus filhos! isso é um absurdo!! amor é algo tão sublime que não pode ser medido! Se eu pensasse assim, jamais acreditaria na força do amor, no poder da adoção por exemplo!

Aprendi a otimizar o tempo durante as mamadas, aproveito para usar a internet pelo celular enquanto amamento as duas!
Essa na verdade é outra dúvida bem frequente...
Muitas pessoas me perguntam se eu amamento as duas junto ou separado... Depende muito do momento! Na grande maioria das vezes amamento as duas junto.. Isso otimiza o tempo, mas já houve épocas em que os horários delas era ABSOLUTAMENTE diferente! Enquanto uma estava acordada mamando a outra estava dormindo, e eu podia afogar jogando leite na cara da bichinha que ela não acordava de 'jeito maneira' pra mamar... (o que me fazia amamentar praticamente 24h/dia)
Sempre procurei amamentar em todas as posições em que meus braços suportam o peso das duas! Amamento em pé, caminhando, sentada, deitada.... E o peito é multifunção aqui em casa, é o nosso calmante natural! choramingou?? ''dalheteta!''

No facebook existe um grupo chamado GVA- grupo virtual de amamentação, lá tem muito material de qualidade para sanar distintas dúvidas, relatos de experiências maravilhosas.. isso ajudou bastante!
Amanda e Helena, com 10 dias de vida (as mãozinhas sempre juntas <3 i="">

Helena e Amanda, curtindo uma soneca da tarde enquanto a mamãe estica o esqueleto

Helena, mamãe e Amanda, em nosso habitat natural! (5 meses e alguns dias!)

Helena e Amanda, unidas comemorando 6 meses de amamentação exclusiva

Heleninha, em sua primeira mamada, com aproximadamente 3 horas de vida extra uterina

Amandinha, mandando um recado pro sistema!

Helena e Amanda, mamando enquanto a mamãe usa a internet e espera elas dormirem bem para colocá-las no berço e seguir passando a montanha de roupas limpas <3 br="">

Amanda e Helena - aos 6 meses

Helena, mamando até de ponta cabeça - 7 meses
Completamos hoje 9 meses e 1 dia amamentando em livre demanda as minhas filhas!
Deixo com vocês o registro fotográfico de alguns dos nossos inúmeros momentos nesses 277 dias, espero que gostem!

Nenhum comentário:

Postar um comentário