sábado, 24 de setembro de 2016

Sobre respingos e reflexos


Sempre fui bagunceira, confesso! Sobretudo quando tem algo bagunçado na minha cabeça... Desde a chegada das gêmeas {talvez até antes delas nascerem de fato} larguei as rédeas da organização da casa pra não surtar de vez com a rotina enlouquecedora que é ter dois recém nascidos {em franco processo alérgico não diagnosticado por longos 7 meses} e isso afetou diretamente meus filhos mais velhos!
Deixei em 3º.. 4º plano a arrumação da casa e algumas práticas que mantinham tudo em ordem com mais facilidade! Como por exemplo a louça... Ela só era lavada quando dava! {normalmente quando obrigatoriamente eu precisava dela pra preparar outra refeição!} Me recusava a lavar a louça após o almoço/janta pelo simples motivo de que eu já passava mais de 1h lá com pelo menos uma cria no sling/carrinho/colo/chão/cadeirinha/ insira aqui outra opção que mantenha um, ou dois bebês quietos por 10min e não achava necessário ficar mais meia hora no mínimo por lá até limpar tudo!! Na verdade na grande maioria dos dias eu cozinhava, mas não conseguia comer, pq não dava tempo! Elas me solicitavam antes!
Fazia simplesmente o básico pra conseguirmos nos manter em um ambiente habitável... Nada muito além disso. Vez ou outra {quando o sono de uma delas contribuía - elas revezavam as sonecas diurnas AND noturnas!} rolava uma faxinona, com direito a jogar água ao som de engenheiros do hawaii... E na minha cabeça, esse pause era indiferente pra minha família...

Nossos filhos são nossos espelhos, isso é fato!!

Quando os filhos nascem todos nós ficamos procurando semelhanças entre os pequenos e nós. Mas somente enquanto são mini humanos {que dormem, mamam e eventualmente fazem alguma gracinha} pois assim que ficam 'taludinhos' e de fato, ficam assustadoramente parecidos conosco, queremos atribuir suas atitudes ao jogo de vídeo game que jogaram, ao filme de super herói que assistiram, ao desenho não tão educativo que acabaram olhando ou mesmo ao primo da vizinha, e nos negamos a perceber {ou admitir} que o comportamento que desaprovamos nada mais é do que o reflexo das nossas atitudes {mesmo as mais banais, como passar desodorante depois de já ter posto a blusa}
Se por um lado Natan evoluiu surpreendendo a muitos {não à mim, eu sabia que seria assim} com seu cuidado, atenção. zelo e amorosidade com as ''irmãzinhas'', por outro ficou ainda mais sentimental e bagunceiro, e isso nos dias de hoje meu irmão, desagrada geral.
Natan desagradou tanto na escola, que cheguei ao ponto de me sentir sem saída! Busquei a opinião de outras pessoas, algumas delas profissionais na área de psicologia, neurologia, e a única coisa que 'encontramos' até agora nessa investigação foi uma sinusite! Acho que ele herdou isso da mãe, de se bagunçar por dentro e exteriorizar! Os últimos anos {só livrou o primeiro ano de vida dele} foram de mudanças intensas na vida da nossa família, e as vezes até esqueço que vivi tudo isso em menos de 5 anos!

Contra fatos não há argumentos {dizem os portugueses} então à mim, só resta guardar a bagunça íntima que o pós parto traz e retomar as rédeas dessa loucura toda.
Ao infinito e além, aí vamos nós!

Nenhum comentário:

Postar um comentário