terça-feira, 29 de novembro de 2016

A roda da vida...

Uma das coisas que me fazia adiar os planos de uma nova gravidez sem dúvidas, era a minha rede de apoio Fraca e pequena, eu sabia que nem sempre conseguiria me segurar quando a luz me faltasse e eu caísse com 1 bebê no colo, em queda livre. Então me vejo grávida, não de 1 mas de 2 (DOIS) bebês.

A mãe natureza é fanfarrona, ela nos ensina pregando peças... Isso é fato!E depois que as gêmeas vieram, não só eu, mas muita gente próxima aprendeu muito com essa experiência (louca).
Já ouvi diversas vezes de quem me acompanha pelas redes sociais {como blog, facebook ou mesmo quem tem um relacionamento mais superficial} que eu me expresso bem, que sou uma mulher super segura e confiante. Mas nem sempre é assim!!Luto comigo mesma para que eu consiga me comunicar cada vez mais e melhor.

A minha maior dificuldade é pedir ajuda! Gente, não é que eu não goste de ajuda, eu simplesmente não aprendi a pedir, e na maioria das vezes nem mesmo as pessoas mais próximas de mim conseguem perceber isso!

Dentro de casa {tanto da casa onde nasci, quanto da casa que construí} sempre fui muito independente e muito autoritária e isso acaba sendo facilmente confundido com auto suficiência, principalmente por nós mesmos.
Durante a gravidez e os primeiros meses da minha primeira filha, morei na casa dos meus pais. Nosso relacionamento estava bem desgastado {olha os respingos de uma gravidez não planejada aí minha gente} e assim que pude fui embora! Primeiro para a casa da sogra, e 2 meses depois, pra bem longe!!

Assim nos mantivemos por mais de 10 longos anos... Morando bem longe uma da outra. Como tudo na vida é cíclico {pelo menos eu acredito que assim seja} a roda da vida fez sua mágica e eu, estou prestes a ser vizinha dos meus pais.


Casa Amarela ao fundo, enquanto construia a Casa Lago


Evitei de pensar nisso durante algumas semanas, porque não pensar é um mecanismo de defesa. Evita meia dúzia de ilusões e frustrações. Mas agora não há como conter! A placa da imobiliária já foi retirada, no grupo do whatsapp da família já foram postadas diversas fotografias das zilhões de caixas que acomodam 10 anos de vivências longe do pago, e eu, imediatista que sempre fui já me pego planejando o que vou fazer nas horas em que meus filhos estarão desfrutando da companhia dos meus pais...